Assessoria para Autonomia

Povo Noke Koi – Associação Sociocultural Varinawa

Atuamos na construção institucional da Associação Sociocultural Noke Koi/Varinawa e prestamos assessoria para a sua gestão. Trabalhamos em conjunto com a comunidade para a construção do projeto de um novo espaço dentro da floresta para seus rituais sagrados e outros eventos. Mais recentemente, colaboramos com a FUNAI e com o Museu do Índio num projeto para o fortalecimento do artesanato tradicional de cerâmica, de sementes e pinturas.

Povo Ashaninka – Projeto Instituto Yorenka Tasorentsi

Apoio à institucionalização do Instituto Yorenka Tasorentsi, sob a liderança do líder Ashaninka Benki Pyãko. Neste esforço, colaboramos com o processo de regularização fundiária das terras adquiridas, com a construção dos documentos necessários ao registro da sua personalidade jurídica, para a organização das Conferências Indígenas da Ayahuasca, na organização de frentes de mediação negociada de conflitos possessórios, dentre outras ações.

Povo Puyanawa – A reconstrução da sua identidade

Trabalhamos junto com a comunidade Puyavakevu, em frentes de ação voltadas ao resgate e fortalecimento de suas raízes culturais,em especial na elaboração e acompanhamento de projetos de revitalização dos espaços de reunião e de hospedaria.

Povo Shanenawa – Aldeia Shanekaya

Contribuímos orgulhosamente com a aldeia Shanekaya, que é liderada por mulheres comprometidas e inspiradoras, prestando assessoria em alguns de seus projetos. Num mundo carente de lideranças mulheres e indígenas, acreditamos que suas iniciativas podem contribuir de forma transformadora e efetiva para as necessárias mudanças que precisamos concretizar no interesse desta e de futuras gerações.

Aprendizagem para autonomia

Vozes do Liberdade

Trabalhamos com as comunidades da Reserva Extrativista do Riozinho da Liberdade: Morro da Pedra, Cavanhaque, Santa Rita e Pouso Alegre, com intuito de ajudá-las a construir um livro com o registro de suas histórias sob a perspectiva dos próprios moradores. Nesta comunidade, atuamos ainda no diagnóstico do acesso da comunidade aos serviços da Seguridade Social e de Saúde.

Rede Juruá

Nesta iniciativa, a partir de diagnóstico de campo sobre a problemática socioambiental da comunidade da Várzea, de Cruzeiro do Sul, iniciamos a mobilização da comunidade ribeirinha de pescadores para a sua participação na rede internacional Amazônia Ciência Cidadã (www.amazoniacienciaciudadana.org), capacitando-os para o uso do aplicativo Ictio para coleta e sistematização de informações sobre a atividade pesqueira na região.O objetivo desta iniciativa é capacitar a comunidade e a Federação de Pescadores do Acre para o monitoramento do fluxo migratório das espécies de peixes e para a gestão dos recursos pesqueiros por meio da compilação dessas informações em uma base de dados única e aberta, com a participação de diversas comunidades e instituições de toda a Amazônia no Brasil, Peru, Colômbia, Equador e Bolívia.

Escambo

Dentro de sua cultura institucional, o Fronteiras tem como um de seus princípios básicos a troca entre os membros de suas redes. Fazemos trocas de diversas naturezas todos os dias, mediando o que desejamos e direcionando nossos esforços de trabalho e de outros recursos escassos. Ao estabelecer processos em que as trocas são possíveis e geram ganhos mútuos, fomentamos o trabalho voluntário, as parcerias profissionais, oportunidades de ganhos e apoios para iniciativas coletivas. Dizemos deste modo que criamos espaços em que “escambiamosaprendizagens e conhecimentos que envolvem, dentre outras experiências:

Curso de Mediação de Conflitos e Desenvolvimento de Organizações

– Oficina de pesquisa empírica no Direito

– Oficina de métodos etnográficos

– Oficina de métodos de casos aplicados aos Direitos Indígenas

Conflitos socioambientais

A partir da relação desenvolvida com os povos Ashaninka, Noke Koi, Puyanawa e Shanenawa, e contando com a parceria com a FUNAI e da Universidade Federal do Acre, o Fronteiras contribui ativamente em processos de negociação mediada de conflitos, bem como desenvolve a coleta e a sistematização de informações públicas disponíveis sobre casos jurídicos envolvendo essas comunidades com o propósito de subsidiar processos de formação, ensino, pesquisa e extensão relacionados com os direitos indígenas.